Archive for Agosto, 2009

Conversões Superficiais, Religião Superficial

Agosto 29, 2009

Conversões Superficiais, Religião Superficial

C.H. Spurgeon

Embora eu me regozije com conversões súbitas, eu tenho sérias suspeitas quanto a essas pessoas repentinamente felizes que nunca parecem ter se entristecido com o próprio pecado. Receio que esses que vêm tão facilmente à sua religião que freqüentemente a perdem completamente com a mesma facilidade. Saulo de Tarso foi convertido subitamente, mas nenhum homem já passou por maior horror de escuridão do que ele, antes que Ananias viesse a ele com palavras de conforto.

Eu gosto do arado profundo. A raspagem superficial do solo é trabalho pobre. O corte profundo da terra sob a superfície é grandemente necessário. Afinal de contas, os cristãos mais duradouros parecem ser aqueles que viram que o mal interior que neles há é profundo e repugnante, e depois de algum tempo foram levados a ver a glória da mão curativa do Senhor Jesus conforme Ele a estende no Evangelho.
“Para pôr tudo em uma palavra, uma ausência do Espírito Santo é a grande causa da instabilidade religiosa.”

Receio que em muito da religião moderna há uma carência de profundidade em todos os pontos. Eles não tremem profundamente nem se regozijam grandemente. Eles não se desesperam muito, nem acreditam muito. Oh, cuidado com um verniz piedoso! Proteja-se da religião que consiste em colocar uma fina camada de piedade sobre uma pesada massa de carnalidade. Nós precisamos de uma obra contínua no interior. A graça que alcança o centro e afeta o espírito mais interior é a única graça que vale a pena ter.

Para pôr tudo em uma palavra, uma ausência do Espírito Santo é a grande causa da instabilidade religiosa. Cuidado para não confundir excitação com o Espírito Santo ou as suas próprias resoluções com os profundos mecanismos do Espírito de Deus na alma. Tudo aquilo que a natureza pinta, Deus queimará com ferro quente. Qualquer coisa que a natureza põe em funcionamento, Ele fará parar e jogará fora com os trapos. Você precisa nascer de cima, você precisa ter uma nova natureza forjada em você pelo dedo do próprio Deus, já que de todos os seus santos está escrito, “Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus.”

Oh, mas, em todos os lugares eu temo que haja uma ausência do Espírito Santo! Há muita coisa vindo de uma moralidade espalhafatosa, superficial, muitos clamores de “Paz, Paz” onde não há nenhuma paz; e muito pouca ansiedade profunda advinda de um exame do coração para ser completamente purificado do pecado. Verdades bem conhecidas e facilmente lembradas são cridas sem serem acompanhadas da devida uma impressão do peso delas; esperanças sem consistência e confianças infundadas são formadas e é isso que faz com que os enganadores sejam tão abundantes e os espetáculos carnais tão comuns.

Fonte: Bom Caminho

Publicado por Phil Johnson no site Pyromaniacs.

Tradução: Juliano Heyse

Fale conosco: mail@bomcaminho.com.

Anúncios

Não desperdice sua visão

Agosto 29, 2009

cegueira

David Wilkerson refuta Benny Hinn – Reconhecendo um falso profeta

Agosto 28, 2009

david_wilkerson_21

X

bennyhinn

David Wilkerson refuta Benny Hinn – Estamos num tempo de apostasia onde muitos tem pregado Jesus. Mas como identificar quem está falando a VERDADE?

Abaixo um estudo em como reconhecer um falso mestre ou profeta. Abaixo um vídeo de duas pessoas consideradas profetas e homens de Deus, David Wilkerson e Benny Hinn.

Leia este artigo, veja o video e comente:

Como posso reconhecer um falso mestre/falso profeta?

Pergunta: “Como posso reconhecer um falso mestre/falso profeta?”

Resposta: Jesus nos advertiu que “falsos Cristos e falsos profetas” virão e tentarão enganar até mesmo os eleitos de Deus (Mateus 24:23-27; veja também 2 Pedro 3:3 e Judas 17-18). Para melhor se prevenir contra a falsidade e contra falsos mestres – conheça a verdade. Para detectar uma imitação, estude a coisa verdadeira. Qualquer crente que “maneja bem a palavra da verdade” (2 Timóteo 2:15) e que faz um estudo cuidadoso da Bíblia pode indentificar falsa doutrina. Por exemplo, um crente que leu as atividades do Pai, Filho e Espírito Santo em Mateus 3:16-17 irá imediatamente questionar qualquer doutrina que negue a Trindade. Portanto, o “primeiro passo” é estudar a Bíblia e julgar todo ensino de acordo com o que diz a Escritura.

Jesus disse “pelo fruto se conhece a árvore” (Mateus 12:33). Ao buscar por “frutos”, aqui estão três testes específicos para aplicar em qualquer mestre para determinar a precisão do seu ensino:

1) O que esse mestre diz sobre Jesus? Em Mateus 16:15, Jesus pergunta: “Quem dizeis que eu sou?”. Pedro responde: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”, e por essa resposta Pedro é chamado “bem-aventurado”. Em 2 João 9, lemos: “Todo aquele que ultrapassa a doutrina de Cristo e nela não permanece não tem Deus; o que permanece na doutrina, esse tem tanto o Pai como o Filho”. Em outras palavras, Jesus Cristo e a Sua obra de redenção são de maior importância; tome cuidado com qualquer um que nega que Jesus é igual a Deus, desvaloriza a morte de Jesus no nosso lugar ou rejeita a humanidade de Jesus. 1 João 2:22 diz: “Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Este é o anticristo, o que nega o Pai e o Filho”.

2) Esse mestre prega o evangelho? O evangelho é definido como as boas novas concernentes à morte, ao sepultamento e à ressurreição de Jesus de acordo com as escrituras (1 Coríntios 15:1-4). Por mais bonitas que soem, as afirmações “Deus te ama”, “Deus quer que alimentemos os famintos” e “Deus quer que você tenha prosperidade” NÃO são a mensagem completa do evangelho. Como Paulo adverte em Gálatas 1:7: “Há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo”. Ninguém, nem mesmo um grande pregador, tem o direito de mudar a mensagem que Deus nos deu. “Se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema” (Gálatas 1:9).

3) Esse mestre exibe qualidades de caráter que glorificam ao Senhor? Falando de falsos mestres, Judas 11 diz: “Prosseguiram pelo caminho de Caim, e, movidos de ganância, se precipitaram no erro de Balaão, e pereceram na revolta de Corá”. Em outras palavras, um falso mestre pode ser reconhecido pelo seu orgulho (a rejeição dos planos de Deus por parte de Caim), sua ganância (a profecia de Balaão por dinheiro) e rebelião (a auto-promoção de Corá contra Moisés).

Para estudar mais, revise os livros da Bíblia escritos especificamente para combater falsos ensinamentos dentro da igreja: Gálatas, 2 Pedro, 2 João e Judas. Freqüentemente é difícil identificar um falso mestre/falso profeta. É disso que se trata um “lobo em pele de cordeiro”. Satanás e seus demônios se mascaram como ministros de justiça (2 Coríntios 11:15). Apenas sendo inteiramente familiar com a verdade você será capaz de reconhecer uma imitação.

Fonte: Got Questions

Meditação de Hoje – O lobo e o Cordeiro

Agosto 23, 2009

Meditação Diária

wolf_in_sheeps_clothing1

Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm a vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores.(Mt 7:15)

sheep-wolf

Mas o mercenário, e o que não é pastor, de quem não são as ovelhas, vê vir o lobo, e deixa as ovelhas, e foge; e o lobo as arrebata e dispersa as ovelhas.(Jo 10:12)

Vida social dos lobos

Forma grupos familiares e costuma caçar em bandos, nos quais existe hierarquia. É de hábitos noturnos . Pais e crias constituem a unidade básica do grupo, que se estabelece em um território e o defende marcando-o com urina e fezes. Os lobos têm uma estrutura social muito hierarquizada e mostram modelos de comportamento concreto para informar sua posição social de domínio ou submissão. O lobo é um animal predador e carnívoro

Cristianismo x Religião

Agosto 15, 2009

Cristianismo x Religião

Veja esse video

General William Booth e o Exército de Salvação

Agosto 14, 2009

General William Booth e o Exército de Salvação

wiliiambooth
William Booth

Blog EXPEDIÇÃO MOCHILA

Infância e juventude

William Booth nasceu em Nottingham, Inglaterra, no ano de 1829. Ele era o único filho de Samuel Booth e Mary Moss. Samuel era rico para os padrões da época, mas durante a infância de William, ele perdeu muito dinheiro por causa de maus investimentos deixando a família na pobreza. Falido, em 1842, Samuel Booth morreu.

Meses antes, aos 13 anos, William deixara a escola para ir trabalhar como aprendiz em uma loja de penhores. Mesmo não gostando do ofício, órfão de pai, o menino teve que continuar seu trabalho para ajudar a sustentar sua mãe e irmãs. E foi na loja que William, vendo a situação das pessoas que vinham penhorar seus bens por necessidade, começou a se conscientizar da pobreza e humilhação dos que sofriam ao seu redor.

Aos 15 anos ele se converteu a Cristo e tornou-se um metodista. William abraçou sua fé com paixão e logo compromissou-se com a oração, leitura bíblica e principalmente com o evangelismo. O jovem gastava a maioria do seu tempo livre compartilhando as Boas Novas com os outros.

Na igreja William encontrou seu melhor amigo, parceiro e irmão, Will Sansom. Ambos apaixonados pelo Evangelho se encorajavam mutuamente. Will Sansom achava que Booth deveria ser evangelista e em 1940 os dois começaram a pregar para os pecadores de Nottingham. Eles sonhavam juntos com o futuro e provavelmente teriam sido parceiros na “Missão”, como Sansom falava, mas o amigo morreu em 1848 de tuberculose. No mesmo ano William concluiu seu aprendizado profissional e em vão ele passou a procurar um outro emprego, pois sua consciência vivia em crise com o trabalho na loja de penhores.

Pregador metodista
A morte do parceiro e a falta de emprego fizeram com que William buscasse uma mudança de ares. Em 1949 ele fixou residência em Londres, capital da Inglaterra. Lá ele tornou-se membro da Igreja Metodista local e, por falta de alternativas, voltou a trabalhar numa loja de penhores. William tentou continuar o ministério de pregador leigo, mas como havia pouco espaço nos púlpitos de Londres, ele optou por ministrar como um evangelista de rua.

No seu aniversário de 23 anos, William finalmente deixou o trabalho com penhores e tornou-se um pregador de tempo integral da Igreja Metodista Reformada. Um mês depois ele ficou noivo de Catherine Mumford, tomando ela por esposa em 1855.

Os dois viajaram por todo país pregando a qualquer um que ouvisse. Ainda assim, William sentia que Deus queria mais e que ele deveria estar fazendo mais para alcançar as pessoas mais simples. Ao mesmo tempo, quanto mais ele se sentia atraído ao trabalho evangelístico, mais ele sentia pressão da Igreja Metodista para assumir funções pastorais. Considerando todos esses “mais”, ele voltou a Londres com sua família e pediu demissão.

Seu pedido foi seguido de um boicote das igrejas metodistas que lhe proibiram de pregar em seus púlpitos. William manteve suas crenças metodistas, mas tornou-se um evangelista independente.

A Missão Cristã
Em 1865 ele estava em Londres pregando aos transeuntes quando uns missionários o ouviram e o convidaram a dirigir uma série de encontros que eles estavam promovendo numa grande tenda. A tenda estava situada em um bairro pobre de Londres, cheio de marginalizados. A data para a primeira reunião foi 2 de julho de 1865. William pregou a mensagem de Cristo para os mais rejeitados e naquela noite se deu contra que tinha encontrado seu chamado. Depois disso, ele e sua esposa fundaram seu próprio movimento: “A Sociedade do Avivamento Cristão” que depois mudou seu nome para “A Missão Cristã”.

A visão do casal era atingir todas as áreas da vida das pessoas (o espiritual, o social, o psicológico, o físico, etc). Vagarosamente “A Missão” passou a crescer, mas o trabalho era fatigante. As reuniões noturnas aconteciam num depósito e algumas pessoas da rua tacavam pedras e lançavam fogos de artifício para perturbar os cultos. Catherine descreve essa fase da seguinte forma:

“[William] tropeça pra dentro de casa noite após noite exausto de cansaço, frequentemente suas roupas estão rasgadas e ele chega com algum curativo coberto em sangue cobrindo o ferimento de uma pedrada na cabeça”.

Mesmo depois de muito trabalho, os resultados ainda eram desmotivadores. A Missão Cristã era apenas mais uma entre os cerca de 500 missões, igrejas e organizações que tentavam ajudar os marginalizados de Londres sem obter resultados relevantes.

O Exército de Salvação
Após 13 anos de sua fundação, em 1978, o ministério passou pela mudança chave para seu sucesso posterior. O marco dessa mudança foi o novo nome: O Exército de Salvação. A novidade veio acompanhada de um novo ímpeto, o Exército adotou suas próprias cores, músicas, uniformes e patentes. As ilustrações militares tocaram o coração das pessoas e o trabalho começou a se destacar.

William ficou conhecido como “o General” e passou a pregar com mais e mais ousadia, usando as analogias do exército para despertar o brio dos cristãos e desafiar pecadores a deixarem seu passado para trás e recomeçar uma nova vida como um soldado do Exército da Salvação. A imagem militar do movimento também deu combustível para a ação missionária transcultural e William levou o Exército para 58 outros países.

O general também publicou uma revista periódica e foi autor de vários livros e músicas. O seu livro mais popular foi Darkest England and the Way Out, um best-seller que serve de guia para o trabalho social do Exército de Salvação até hoje. Entre muitas idéias, o livro fala de abolir o vício e a pobreza através da construção de albergues pros sem-teto, comunidades agrícolas, centros de treinamento proffisional, abrigos para ex-prostitutas e presidiários, ajuda aos pobres e recuperação de alcoólatras. Booth foi um visionário e profeta, antevendo muitos dos problemas que o mundo e a Igreja viriam a enfrentar nas décadas que o sucederam.

“Considero que os principais perigos que deveremos confrontar no próximo século são: religião sem o Espírito Santo, cristianismo sem Cristo, perdão sem arrependimento, salvação sem regeneração, política sem Deus e céu sem inferno.”

Cumprindo a carreira
Com o tempo o Exército de Salvação caiu nas graças do povo e futuramente tornou-se a maior organização filantrópica do mundo. Nos seus últimos anos William Booth foi recebido por reis, imperadores e presidentes que o admiravam. Até mesmo a mídia passou a tratar com “o General” com reverência. Aos 83 anos William foi promovido para a glória.

“Enquanto mulheres chorarem… Eu lutarei; Enquanto crianças passarem fome… Eu lutarei; Enquanto homens passarem pelas prisões… Eu lutarei; Enquanto restar uma alma que esteja nas trevas, sem a luz de Deus, Eu lutarei. Eu lutarei até o fim!” William Booth

P.s.: O Exécito de Salvação chegou ao Brasil 10 anos após a morte de William. A EM trabalha em parceria com o Exército de Salvação no Centro de São Paulo. Para saber mais sobre o que eles andam fazendo hoje, clique aqui.

Sobre as ondas evangélicas e pastorais

Agosto 14, 2009

ondas

SOBRE AS ONDAS EVANGELICAIS E PASTORAIS

Rogério Nascimento

O que temos hoje é um crescimento do evangélico pragmático, aquele ramo evangelical que prega o evangelho utilitarista. Cresce o numero de evangélico, mas cada vez mais piora a sociedade.
Não existe um escândalo brasileiro onde não esteja um punhado de pastores envolvidos.
Depois do evangelho da prosperidade, todos os pregadores queriam ser igual aos americanos, os mesmos gestos, o mesmo tipo de roupa, a mesma arrogância, as mesmas decalrações, os mesmos chavões (sou filho do Rei, eu declaro, eu tomo posse). Em seguida veio o evangelho da cura interior, onde a pregação não era mais suficiente para curar a alma das pessoas, o novo nascimento não era suficiente para transformar e a cruz de Cristo ineficaz para cancelar os pecados, era preciso uma série de rituais com renuncias e renegações para que a pobre criatura convertida alcançasse a libertação de seu passado. Depois veio a batalha espiritual, onde se ensinava a absurda teologia da legalidade dada ao diabo para dominar a terra. O diabo era o senhor da terra e Deus tinha que pedir permissão para agir na terra. A saída era os crentes tirar os calçados, fazer declarações de domínio, etc. Depois veio o evangelho dos neo-apóstolos. Qualquer pastor que não estivesse contente com o “status” de pastor, poderia se auto-denominar apóstolo e esta onda se espalhou até perder a graça. Depois surgiu o evangelho dos proféticos, onde tudo era profético (louvor profético, igreja profética, dança profética, marcha profética, corte de cabelos profético, até “urinada” profética teve (e tem). Agora segundo a revista Veja, temos o evangelho da auto-ajuda, onde o sobrenatural é “motivar” as pessoas. A Bíblia em uma mão, Lair Ribeiro, Augusto Cury , James Hunter ou Shinyashinki na outra e com certeza, depois da reportagem, muitos pregadores correrão para os cursos de psicologia de auto-ajuda, comprarão livros de motivação pessoal e irão para frente de seus espelhos treinar novos gestos. Neste meio tempo o povo padece, enquanto os livros de exegeses, comentários bíblicos e boa teologia apodrecem. O trabalho demorado na análise de um texto bíblico é coisa do passado, agora temos todas as Bíblias comentadas, banalmente comentadas e o povo banalmente se assenta nos bancos das igrejas, mendigando uma pregação bíblica.
Foi-se a autenticidade e a originalidade, viva a medíocre mania de imitar e importar a última onda a surgir. Sim, porque até a próxima, adota-se a atual.

Só resta gritar, o grito dos moradores de Jerusalém, Hosanas – Salva-nos Senhor!!!!

Morris Cerullo seduz Silas Malafaia e lança unção do número nove na Assembléia de DEUS

Agosto 11, 2009

Morris Cerullo seduz Silas Malafaia e lança unção do número nove na Assembléia de DEUS

Publicado em Agosto 9, 2009 por apocalipsetotal

biblia-vitoria-financeira
Biblia vitoria financeira

E dá-lhe apostasia! Está se tornando comum a infiltração do sistema Babilônico Americano e seus pastores nas igrejas brasileiras prometendo prosperidade e riqueza. Alguns dias atrás a igreja IURD de Edir Macedo lançou a campanha do óleo ungido na Comissão Trilateral ( EUA, União Européia e Japão) de David Rockefeller. Simbolicamente dizendo, essa igreja foi até a mulher assentada na besta pedir dinheiro.

Mas o Líder da Igreja Assembléia de DEUS foi mais longe; além de deixar o sistema babilônico infiltrar em sua igreja, abriu as portas para que outro deus seduzisse sua mente

Se esse pastor soubesse ler a Bíblia saberia que DEUS envia profetas como esse para testá-lo. E infelizmente o pastor Silas foi rejeitado. A descrição desse evento lamentável pode ser encontrada em Deuteronômio 13 (1-3) que diz:

QUANDO profeta ou sonhador de sonhos se levantar no meio de ti, e te der um sinal ou prodígio, (Deuteronômio 13:1)

Nos primeiros minutos do vídeo (clique aqui para assistir programa exibido em 08/08/09), cerca de 30 minutos, os pastores tentam convencer o telespectador que as profecias de Cerullo são verdadeiras através de várias passagens Bíblicas totalmente mal interpretadas.

A pior de todas se referem aos cavaleiros descritos em Apocalipse capítulo 6. Se observarmos atentamente a Bíblia, a suposta solução financeira acontecerá quando o cavaleiro da Balança (que representa as finanças) encontrar com o cavalo branco, o cavaleiro e o seu Arco (que representa Baha’u’llah) no norte de Israel (clique aqui para ler) e esse por sua vez implantará a economia divina no mundo portadora do seu Sinal, nome e número de letras do seu nome. Agora vamos para um outro erro…

E suceder o tal sinal ou prodígio, de que te houver falado, dizendo: Vamos após outros deuses, que não conheceste, e sirvamo-los; (Deuteronômio 13:2)

No vídeo o pastor Silas fala emocionado sobre várias profecias cumpridas por Cerullo. Uma delas é que o Real conseguiria ter mais valor do que o Dólar americano. Como um abismo leva a outro, vamos para mais um…

Não ouvirás as palavras daquele profeta ou sonhador de sonhos; porquanto o SENHOR vosso Deus vos prova, para saber se amais o SENHOR vosso Deus com todo o vosso coração, e com toda a vossa alma. (Deuteronômio 13:3)

Mas infelizmente eles ouviram, gostaram e concordaram. Cerullo pede para que o telespectador repita a seguinte oração: “ Nove! Esse é o momento de DEUS” ; tudo isso com o “amém “ do pastor Silas.

Para entender melhor como o poder unificador de Baha’u’llah está atuando na mente desses infelizes homens, devemos ler Apocalipse Capitulo 10. Dentro do livrinho (que representa o Kitáb-i-aqdas) existem sete trovões (que representa os sete vales de Baha’u’llah) e eles possuem várias vozes que rugem como leão procurando a quem possa tragar:

E clamou com grande voz, como quando ruge um leão; e, havendo clamado, os sete trovões emitiram as suas vozes. (Apocalipse 10 : 3)

Movido pela ganância, Cerullo foi tragado no vale do conhecimento de Baha’u’llah que diz:

VALE DO CONHECIMENTO – “…O viajante, nesse Vale, nada vê nos desígnios do Verdadeiro senão clara providência(…) Na ignorância encontra muito conhecimento oculto…”(Baha’u’llah- os Sete vales|)

É um ato de extrema ignorância alguém afirmar que o número nove representa o verdadeiro DEUS. Em nenhum lugar está escrito isso na Bíblia. Segundo Cerullo, os números são importantes para DEUS, o número nome simboliza “completeza” e um novo inicio, pois ele vem depois do número 8.

Cerullo introduziu os princípios da cabala dentro da igreja para criar a sua unção profética, pois a cabala nada mais é do que depositar a fé em números para que um determinado propósito aconteça. Ele fez exatamente o que Baha’u’llah mandou descrito acima, na sua ignorância Bíblica encontrou o conhecimento oculto.

Uma vez que ele foi tragado pelo vale do conhecimento, a obediência as leis do Kitáb-i-aqdas são diretas. Nesse caso o Artigo K-29 ( muito conhecido pelos leitores aqui):

29. Dize: Este é aquele conhecimento oculto que jamais há de mudar, pois inicia-se com o nove, o símbolo que representa o Nome oculto e manifesto, inviolável e inacessivelmente excelso (..)

Mais adiante, e no mesmo artigo, Bahá’u’llah promete benção de prosperidade para aqueles que se curvam diante dele. Obs. :Como sempre, onde se lê Deus substitua por Baha’u’llah:

(…) Quanto ao que reservamos aos filhos, trata-se de uma bênção que Deus lhes conferiu, para que rendam graças ao seu Senhor (…)

E os pastores Silas e Cerullo renderam graças a Baha’u’llah quando pediram para que os telespectadores repetissem várias vezes : “Nove! Esse é o momento de DEUS para cumprir toda profecia, toda promessa que ela já fez sobre sua vida” e também aos gritos Cerullo diz: “Nove!Nove! Noooooove…!”. O que parecia uma espécie de novo mantra evangélico da nova era.

batalha

E para fechar o programa da unção com o número nove é pedido um oferta batalhade R$.900,00. Cerullo promete mudança de vida em seis meses (999=666). E como brinde (somente para quem ofertar claro) receberá a Bíblia da Batalha Espiritual & Vitória financeira e prosperidade escrita por ele.

E assim a ordem de Baha’u’llah vai controlando mentalmente os principais líderes evangélicos até o reconhecimento absoluto de sua fé, o que não está muito longe:

“A Ordem Mundial de Bahá’u’lláh liberou estas forças continuará, em Sua sabedoria inescrutável e por seu poder onipotente, a moldar e dirigir o curso deles para a glória, a emancipação final, e o reconhecimento absoluto de Sua Fé.” (Shoghi Effendi – Guardião da Fé Bahá’i)

Referências:

http://www.ministeriosilasmalafaia.com.br/_gutenweb/_site/pg_tv.cfm

http://olharreformado.wordpress.com/2009/08/08/pentecostal-decente/#more-997

http://www.vitoriaemcristo.org/_gutenweb/_site/pg_inicial.cfm

Morris Cerullo e a numerologia a serviço da prosperidade

Agosto 11, 2009

morris
Morris Cerullo e a numerologia a serviço da prosperidade

João A. de Souza Filho

Pois meus amigos, às vezes sinto-me tentado em abandonar o que creio ser a verdade bíblica pregando outro evangelho que não seja o de Jesus Cristo. Pelo menos as pessoas deixariam uma oferta de amor – razoável oferta – ajudando-me no sustento ministerial. Poderia melhorar de carro – o meu é um carro antigo – e deixar de pagar aluguel. Nesses quarenta e cinco anos de ministério sinto-me plenamente satisfeito com a provisão diária de Deus, sem de nada ter falta. Nos momentos mais difíceis, falo com meu empregador – Deus – ele faz o pagamento.

Mas, vez que outra o espírito profético aguça minha inteligência e saio a fazer pesquisas por todas as escrituras para descobrir se Deus chamou a igreja para ser rica e abastada – dando-nos a unção milionária, ou unção da prosperidade – sim, e descubro que ele prometeu fartura e prosperidade ao povo de Israel que durante quatrocentos anos vivera como escravos na terra do Egito. Mas nunca prometeu fartura e prosperidade à igreja. Por que?

Porque a prosperidade está implícita na mensagem do evangelho; faz parte da vida espiritual dos crentes; a prosperidade espiritual de onde deriva a prosperidade material ocorre de maneira perene e normal. Isto é, o evangelho de Cristo liberta o ser humano da escravidão espiritual e o coloca na trilha da prosperidade material. E não ao contrário. As pessoas hoje ofertam para serem ricas, sem uma experiência profunda de conversão.

Mas em que área a mensagem capitalista da prosperidade comete seu maior erro? Quando os pregadores acenam aos cristãos e não cristãos a idéia de que, se contribuírem com seus projetos e ministérios serão prósperos. E quando afirmam que aceitando a Jesus a vida da pessoa mudará e ela será próspera em Cristo. Essas duas suposições estão totalmente fora do espírito cristão do Novo Testamento.

Ora, o desafio que Cristo faz aos que o querem seguir e querem ser seus discípulos é de renúncia total – sem apego ao bens materiais. No entanto ouvimos um evangelho na contramão do evangelho anunciado por Jesus: Unção da prosperidade e unção milionária! Esse apelo está contribuindo para o surgimento de uma nova geração de cristãos que vêm para a igreja ou que seguem a Cristo, seguindo o exemplo dos cinco mil que foram alimentados por Jesus: A multidão seguiu a Jesus para o outro lado do mar da Galiléia em busca de alimento. Formamos uma geração de cristãos mais comprometidos com as riquezas do mundo do que com Cristo Jesus.

A necessidade de sermos prósperos não precisa ser aguçada em nós sob o apelo de que se contribuirmos hoje para tal e tal causa o Senhor nos tornará próspero; a prosperidade faz parte da essência do evangelho – sim, porque o evangelho traz saúde espiritual; e uma pessoa saudável espiritualmente será produtiva no campo, na fábrica e nos seus negócios, e produzindo prosperará. A menos, é claro, que o país ou região onde viva seja uma nação pobre, sem recursos naturais ou que os irmãos sejam perseguidos por causa de sua fé. Nesse sentido durante os primeiros quatrocentos anos de sua história os discípulos de Jesus eram perseguidos, fugitivos de nação em nação, peregrinos em terras desconhecidas, até alcançarem a pátria celestial.

Depois foram perseguidos pela Igreja de Roma e se tornaram peregrinos por toda a Europa. Muitos vieram parar no Nordeste do Brasil – os holandeses – e de lá foram expulsos pelos católicos romanos. Chegaram a América do Norte e fundaram a cidade de Nova Iorque.

Gostaria que os pregadores capitalistas, americanos e brasileiros visitassem alguns países pobres do continente africano, ou da Ásia ou que fossem pregar no agreste nordestino ou a algumas cidades do Brasil com a mensagem da prosperidade. E tentassem recolher uma boa oferta entre eles.

Não se discute o fato de que onde a mensagem do evangelho chega, o povo fica mais próspero – esta é uma verdade que anda paralela com o progresso de uma região. Ora, se não houver progresso na região como os evangélicos prosperarão? Os cristãos da Macedônia eram extremamente pobres, porque toda a região era pobre, quando comparada às demais regiões do Império. Em Roma havia riqueza, na Macedônia, pobreza. A pobreza, no entanto, não era obstáculo a que os irmãos contribuíssem com o ministério de Paulo.

Por outro lado os evangélicos são o povo mais produtivo, conforme a tese de Max Weber de que onde a cultura protestante chegou, chegava também o progresso.

Agora, pregar que Deus vai tirar a riqueza das mãos dos ímpios e pecadores e colocá-las nas mãos da igreja como eu ouvi o Morris Cerullo afirmar é desconhecer a Bíblia, a história e a economia das nações e criar um conflito com os empregadores não-cristãos.

Pior ainda: O Morris Cerullo – e eu interpretei para ele duas vezes em 1975 e em 1982 – em sua última aparição televisiva pediu uma oferta de 900,00 para determinado pregador, usando a numerologia. Isto mesmo! Numerologia. O nove é o número da completude, dizia ele. Vejamos se entendi bem: Ano de 2009 – 900,00. Ano de 2010 – mil reais! E quando chegar a 2013? O 13 não é um bom número! Quer dizer, agora os profetas capitalistas da prosperidade estão usando a numerologia – e quem sabe a cabala judaica – para apelar aos crentes que contribuam conforme a numerologia. O que pressupõe que a igreja primitiva contribuía muito pouco, porque vivia nos anos 35 ou 40 – então a oferta era em centavos! O programa televisivo que assisti é de um homem de Deus, indiscutivelmente um homem de Deus que admiro e que não precisava trazer um profeta capitalista da prosperidade para fazer apelos financeiros.

A porta que Cerullo abriu induzindo os crentes a contribuírem pela numerologia é traiçoeira! Não entre por ela.

Não quero ser demasiadamente irônico, mas conheço bem numerologia bíblica, numerologia da cabala judaica e posso lhe assegurar que o Morris Cerullo – que diz ser judeu – deve ter-se embrenhado pela cabala, ou então não usaria de tais comparações apelando para as ofertas do povo. Basta enviar uma oferta de 900,00 e você será abençoado por Deus! “Ouçam o profeta de Deus” – é o termo que ele usa! E é desse jeito que anos seguidos vem ao Brasil e levanta ofertas para poder sustentar suas viagens em seu jatinho particular.

Meu Deus, a que ponto chegaram teus profetas!